A cena paulista

O segundo projeto temático destinado a estudar a censura a partir do Arquivo Miroel Silveira teve início em 2005. Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), as investigações voltavam-se à análise dos processos e das repercussões da censura sobre a produção artística.

Os documentos do Arquivo Miroel Silveira mostram que a ação censória ao teatro gerava formas de submissão dos artistas aos interesses do Estado. Para conseguir a liberação de uma peça, por exemplo, eles eram obrigados a negociar com as autoridades. Além disso, a existência da censura levava à existência da autocensura: os artistas evitavam falar de temas que poderiam ser proibidos.

Os resultados dessa etapa de pesquisa também apontaram que setores da sociedade civil eram coniventes com os órgãos de censura. Em processos como o da peça A Semente, de Gianfrancesco Guarnieri, há telegramas e abaixo-assinados de grupos e instituições pedindo a proibição do espetáculo, então considerado “subversivo”.

Coordenado pela Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa, o projeto temático A cena paulista: um estudo da produção cultural de São Paulo de 1930 a 1970 estendeu-se até o ano de 2009. Sua estrutura era baseada em quatro eixos de pesquisa:

1) A censura em cena (coordenação: Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa) Linha de pesquisa direcionada à organização e análise dos processos de censura pertencentes ao Arquivo Miroel Silveira. Buscou-se também analisar como se dava a relação entre arte e poder em São Paulo nas décadas de 1930 a 1970.

2) O poder e a fala (coordenação: Profa. Dra. Mayra Rodrigues Gomes) Eixo de pesquisa destinado ao estudo das peças teatrais parcialmente liberadas pela censura – ou seja, textos que tiveram palavras ou expressões cortadas pelo censor. Com a proposta de analisar as temáticas mais censuradas, a pesquisa classificou as interferências sobre as peças de teatro em quatro grupos principais: censura moral, religiosa, política e social.

3) Na cena paulista, o amador (coordenação: Profa. Dra. Roseli Fígaro Paulino) Linha de pesquisa sobre grupos paulistas de teatro amador. Suas conclusões mostram que esses grupos teatrais, no período coberto pelo Arquivo Miroel Silveira, constituíram um circuito alternativo e popular de cultura em São Paulo.

4) Dos palcos para as telas (coordenação: Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa) A proposta desse eixo de pesquisa era levantar as condições políticas, sociais e econômicas de São Paulo na primeira metade do século XX. Dessa forma, buscou-se compreender como se deu o acelerado desenvolvimento da metrópole, em paralelo com seu desenvolvimento artístico.

Publicações resultantes deste projeto temático:
  • Censura, repressão e resistência no teatro brasileiro
  • Teatro, comunicação e censura
  • Palavras Proibidas: pressupostos e subentendidos da censura teatral
  • Na cena paulista, o teatro amador, circuito alternativo e popular de cultura (1927 - 1945)