Jornalistas e dramaturgos: influência da prática jornalística na dramaturgia no Brasil em meados do século XX, a partir dos prontuários de censura do Arquivo Miroel Silveira

José Ismar Petrola Jorge Filho

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Mestre em Ciências da Comunicação. Área de concentração: Interfaces Sociais da Comunicação Linha de pesquisa: Comunicação, Cultura e Cidadania Orientadora: Profª. Drª. Maria Cristina Castilho Costa

Download

A presente monografia analisa influências do jornalismo na produção de dramaturgos que também trabalharam como jornalistas, no Brasil, em meados do século XX. A partir de pesquisas no Arquivo Miroel Silveira, formado por documentos da censura prévia ao teatro no Estado de São Paulo de 1930 a 1970, e em acervos de jornais como o Banco de Dados da Folha de S.Paulo e a Hemeroteca do Arquivo Público do Estado de São Paulo, foi identificado que alguns desses dramaturgos escreveram peças inspiradas em acontecimentos relatados pela imprensa, num procedimento que aproxima as duas formas de narrativa. 

Com base num referencial teórico unindo categorias do jornalismo e das artes, estudaremos cinco peças onde se observa essa influência – O poço, de Helena Silveira (1950); O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues (1961); Vereda da salvação, de Jorge Andrade (1964); Barrela, de Plínio Marcos (1959) e Liberdade, liberdade, de Millôr Fernandes (1965). Analisaremos as influências do jornalismo nestes textos e a forma como a censura teatral lidava com estas aproximações entre dramaturgia e jornalismo.